“Agora,

o remédio é partir discretamente,

sem palavras,

sem lágrimas,

sem gestos.

De que servem lamentos e protestos,

contra o destino?”

[Miguel Torga]